Menu

DEPEN inicia processo de compra para automação nas unidades penais


19/11/2018


A Secretaria Estadual de Segurança Pública lançou nesta segunda-feira (19) o edital para aquisição materiais, equipamentos e ferramentas destinados à implementação da oficina para automações das unidades penais do Paraná. O investimento é de R$ 340 mil.
 
A previsão do DEPEN é de que a oficina esteja pronta até o início de 2019. Os equipamentos serão instalados na antiga oficina de marcenaria da Penitenciária Central do Estado, que já está passando por adequações para receber o maquinário. 
 
A montagem da oficina é a primeira parte do projeto, que será implantado conforme aconteceu no estado em São Paulo, onde em 5 anos foram automatizadas 100 unidades. Inicialmente a oficina na PCE vai atender apenas as unidades do Complexo do Piraquara, mas a ideia é que o projeto se estenda para todo o estado. 
 
 
Projeto diferenciado para uma necessidade urgente
 
A redução de contato entre presos e agentes é essencial para a garantia da segurança dos trabalhadores e, por isso, é uma das bandeiras do luta do SINDARSPEN, que buscou soluções para oferecer ao governo do Paraná formas de melhorar as condições de trabalho dos servidores.
 
Em agosto do ano passado, o Sindicato levou um grupo de servidores do Paraná para conhecer o modelo de automação implantado em SP. Em seguida, o Sindicato intermediou a relação entre a Secretaria de Administração Penitenciária de SP e o DEPEN-PR e, em março deste ano, trouxe os profissionais responsáveis pela implantação naquele estado para conhecer a realidade do Paraná e apresentar um projeto possível de ser instalado aqui. 
 
O diferencial desse projeto é o fato dele levar em consideração o conhecimento dos agentes que estão no dia a dia das galerias. “Não é um projeto pensado por técnicos alheios ao sistema e sim, por agentes que conhecem muito bem a rotina de um presídio. É um projeto pensado a partir das dificuldades encontradas pelos agentes que trabalham no fundo da cadeia”, ressalta o vice-presidente do SINDARSPEN, José Roberto Neves, que acompanhou as visitas.
 
Outro diferencial do projeto é o baixo custo de manutenção. “Esse modelo exige basicamente uma manutenção preventiva de troca de óleo das portas a cada 30 dias, algo que a gente mesmo ensina”, explica o técnico e agente penitenciário paulista Marco Antônio de Santana, que coordena a equipe. “Quando estamos fazendo as instalações sempre pedimos pras direções das unidades indicarem uns dois ou três colegas agentes pra acompanharem tudo com a gente e se capacitarem para lidar com os equipamentos”, esclareceu.
 
Desde maio deste ano, o processo de automação passou a ser acompanhado por um agente do Paraná com formação em Engenharia Mecânica, Diego Machado. Segundo ele, após a montagem da oficina, o DEPEN vai lançar um edital voltado para agentes com experiência em tornearia, usinagem e ferramentaria que tenham interesse em participar do processo de automação no estado. O grupo será capacitado pela SAP/SP, via Escola Peniteciária.

Tags: